Bem-vindo ao Blogue das Bibliotecas Escolares do agrupamento da Maia!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

É um poema... apenas!


É hora

É a hora de preparar o deserto para a noite longa,
de falar baixo ou calar,
de recolher as roupas,
de desligar os motores,
de convocar o silêncio do peito, 
de procurar sentido para as mãos,
de juntar palavras de dia com palavras de noite
e escrever a louca saudade da maré alta,
dos pinheiros altos,
da janela alta das esperas.

Licínia Quitério

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

É um poema... apenas!

Quando eu nasço


Quando eu nasço, sou preto
Quando eu cresço, sou preto
Quando eu fico no sol, sou preto
Quando eu tenho medo, sou preto
Quando eu estou doente, sou preto
E quando eu morro, continuo sendo preto
E tu, caro branco,
Quando nasces, és rosa
Quando cresces, és branco
Quando ficas ao sol, és vermelho
Quando ficas ao frio, és azul
Quando tens medo, és amarelo
Quando ficas doente, és verde
Quando morres, és cinza
E ainda me chamas "de cor"???

Poema eleito pela ONU como o melhor poema de 2006.
Escrito por uma criança africana

Uma reflexão por dia... o bem que te fazia!


Comemoração dos 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

 Os "Direitos Humanos", ilustrados!

Foi assim, que começaram as comemorações do "70 Anos da Declaração dos Direitos Humanos, nas escolas EB 2,3 e EB1, nº 1 de Gueifães!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Livros para escutar!



"Eu Acredito", foi escrito por David Machado e ilustrado por Alex Gozblau. O escritor aceitou emprestar-nos a voz e leu-o na redação do PÚBLICO em Lisboa. Este é o seu livro mais recente “para” crianças. Ou, se se quiser, “também para” crianças, já que os adultos gostam igualmente dele.

Para escutar AQUI!



Alex Gozblau cedeu-nos as ilustrações, para que quem está desse lado do ecrã possa também conhecer visualmente o livro. A editora Alfaguara aceitou que o divulgássemos neste formato no nosso site. Com este vídeo realizado por Vera Moutinho, retomamos os Livros para Escutar do blogue Letra pequena.

Concurso Inês de Castro - 11.ª edição



Concurso Inês de Castro
11.ª edição

O Concurso Inês de Castro volta a recolher da história de 
D. Pedro e D. Inês a sua temática base permanente e unificadora, sendo a 11ª edição dedicada, mais uma vez, a uma das suas dimensões: o AMOR e o DESAMOR.
O Concurso dirige-se aos alunos do 3.º ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário que se façam conhecedores da história da relação entre D. Pedro e D. Inês de Castro e realizem, a partir do mapeamento de lugares históricos e geográficos, bem como dos seus contextos sociais, políticos, económicos, literários e afetivos, um trabalho performativo direta ou indiretamente relacionado com os amores de Pedro e Inês.

O Concurso, cujo regulamento está disponível no Portal do PNL2027, decorre entre os dias 30 de novembro de 2018 e 19 de abril de 2019.

PARTICPA! CONTAMOS CONTIGO...

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Comemoração dos 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

CONVITE
Acende uma vela, no dia 10 de dezembro de 2018, por esta Declaração Universal.
Há 70 anos que ela acende, pelo menos 30, por ti!

Enquanto houver quem mantenha a chama acesa, os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, vão poder acender muitas velas de aniversário.

Vem celebrar os Direitos Humanos!
No local onde estiveres e, se possível, acende uma vela no dia 10 dedezembro, pelas 19 horas. 

Lê e divulga, também, os artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Quem sabe se a Humanidade sai do "papel"!

domingo, 2 de dezembro de 2018

Declaração Universal dos Direitos Humanos - artigos 28º, 29º e 30º

A 10 de dezembro de 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou e proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Dela constavam 30 artigos.


Tens até 31 de dezembro para ler e refletir sobre alguns desses artigos. Achas que consegues?

Artigo 28º

Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efetivos os direitos e as liberdades enunciados na presente Declaração.

Artigo 29º
1. Todo o indivíduo tem deveres perante a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.
2. No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades, ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei, com vista a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e das liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática.
3. Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e princípios das Nações Unidas.

Artigo 30º
Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo, o direito de se entregar a alguma atividade ou praticar algum ato destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.


Declaração Universal dos Direitos Humanos - artigos 25º, 26º e 27º

A 10 de dezembro de 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou e proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Dela constavam 30 artigos.


Tens até 31 de dezembro para ler e refletir sobre alguns desses artigos. Achas que consegues?

Artigo 25º

1.Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurara e à sua família o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invaldez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.
2. A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, gozam da mesma proteção social.

Artigo 26º
1.Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade e em função do seu mérito.
2. A educação deve visar a plena expansão da personalidade humana e o reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais. Deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
3. Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.

Artigo 27º
1.Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.
2. Todos têm direito à proteção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.